Convidados

Palestrantes e oficineiros

Giselle Beiguelman é midiartista e professora universitária. Atua nas áreas relacionadas à criação e crítica de artemídia. É professora da FAU-USP, nas áreas de História da Arte e Design, e editora-chefe da revista seLecT. Membro do júri do ars electronica (Linz, Áustria, 2010 e 2011), tem diversas obras publicadas, com destaque para Nomadismos Tecnológicos (com Jorge La Ferla, SENAC, 2011) e _HTTPpix _HTTPvideo: Criação e Crítica nas Redes de Imagens 9(2011). Seu trabalho artístico aparece em antologias e obras de referência sobre arte digital como o Yale University Library Research Guide for Mass Media, Metadata (Mark Amerika, MIT Press 2007) e Digital Arts (C. Paul, Thames & Hudson, 2008).

Sergio Amadeu da Silveira é professor doutor da Universidade Federal do ABC. Membro do Comitê Gestor da Internet no Brasil. Integra o Conselho Científico da ABCiber. Foi presidente do Instituto Nacional da Tecnologia da Informação. Foi Diretor de Conteũdos da Campus Party Brasil. Planejou e coordenou a implementação dos Telecentros de São Paulo. Coordenou o Comitê Técnico de Implementação de Software Livre na Administração Pública Federal. Consultor de tecnologia da Informação e comunicação. Autor de diversas publicações e artigos científicos.

Renato Rovai é jornalista graduado pela Metodista e mestre em Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Fundador e Editor da Revista Fórum, publicação alternativa que surgiu na primeira edição do Fórum Social Mundial. Mantém o Blog do Rovai (http://www.revistaforum.com.br/blog/), preside a Altercom, organização que reúne empresas e empresendores da comunicação alternativa, e é professor da Faculdade Cásper Líbero, onde coordena o projeto digital do Laboratório Paulista 900 (http://www.paulista900.com.br). Dirige o www.spressosp.com.br, o primeiro jornal regional digital da cidade de São Paulo. É autor do livro Midiático Poder.

Andre Deak é pós-jornalista, produtor multimídia e professor. Mestre pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Trabalha há mais de 10 anos com projetos para internet. É um dos fundadores da Casa da Cultura Digital. Coordena o site Jornalismo Digital.org e o projeto Arte Fora do Museu. Co-organizador do livro Vozes da Democracia, da ONG Intervozes. Foi repórter freelancer para as revistas Rolling Stone, Carta Capital, Caros Amigos, Educação, Fórum e outras. Depois foi para Brasília ser editor executivo multimídia durante o processo de reformulação da Agência Brasil, até 2007. Prêmio Vladimir Herzog 2008, categoria internet.

Daniela B. Silva é diretora da Esfera, na Casa de Cultura Digital, em São Paulo. A Esfera colabora com governos na criação e gestão de projetos de abertura e transparência pública na internet; e articula grupos na sociedade para participarem de novas possibilidades de abertura e participação política – por meio das práticas de liberdade, autonomia e compartilhamento na rede. É uma das fundadoras da comunidade Transparência Hacker, com mais de 800 hackers e ativistas que usam dados governamentais e tecnologias abertas para criar e implementar projetos de interesse público na internet.

Pedro Markun discute uma forma de fazer política, que torna possível influenciar uma cidade de maneira aberta e sem usar terno e gravata. Sócio-diretor da Esfera e membro fundador da Transparência Hacker, é ativista pelos dados abertos e pela liberdade na rede. Criou o clone do Blog do Planalto e o Jogo da Vida do Processo Legislativo. Trabalha na Casa de Cultura Digital com cerca de 60 pessoas que acreditam que a internet e as ferramentas digitais são instrumentos de empoderamento e autonomia do cidadão.

Lívia Ascava passou quatro anos na Faculdade Cásper Líbero pensando prá onde correr – entre as escassas e pouco convidativas possibilidades de trabalho como a redações, assessorias de imprensa e a tal comunicação corporativa. Na intersecção entre a política, educação, tecnologia e comunicação descobriu esse universo da cultura digital. Permeável, interferível. Hoje, transita entre os coletivos Casa da Cultura Digital, Transparência Hacker e Ônibus Hacker. Já coordenou duas edições independentes do TED no Brasil: TEDxSão Paulo e TEDxAmazônia; a programação do Festival CulturaDigital.Br e pelo Isso não é normal, projeto multimídia sobre mudanças do clima, recebeu o prêmio HSBC de Jornalismo na categoria Internet e Sustentabilidade.

Organização e curadoria 

Rodrigo Savazoni é realizador multimídia, jornalista, pesquisador e ativista da cultura livre. Integra a Casa da Cultura Digital Santos e o Grupo de Pesquisa em Cultura Digital e Redes de Compartilhamento da Universidade Federal do ABC. É também articulador do Festival CulturaDigital.Br. Em parceria com o Ministério da Cultura, foi o criador e um dos organizadores da rede CulturaDigital.Br. Por este trabalho recebeu menção honrosa no Prix Ars Electronica. Como realizador multimídia, foi o coordenador da experiência colaborativa “5 x Cultura Digital”, para a qual co-dirigiu o filme em curta-metragem-remix “Remixofagia – Alegorias de uma Revolução”, e da série documental para web “Produção Cultural Brasil”. É vencedor do Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2008) na categoria Internet com documentário interativo “Nação Palmares”. É co-autor do livro CulturaDigital.Br.

Lia Rangel é jornalista e gestora. Co-criadora da Casa da Cultura Digital de São Paulo e de Santos, onde desenvolveu, entre outros, projetos como a rede CulturaDigital.Br e web-documentário Produção Cultural no Brasil. Coordenou projetos de convergência de mídia na TV e Rádios Cultura AM e FM, entre eles as transmissões participativas do Roda Viva, coberturas colaborativas das eleições municipais 2008 e Viradas Cultural 2008/2009. De 2003 a 2007 participou do projeto de reformulação editorial da Radiobrás – Empresa Brasileira de Comunicação, onde coordenou a criação da TV Brasil/Canal Integración, emissora de televisão distribuída para mais de 20 países.