A agência de jornalismo investigativo, Pública, fundada por Marina Amaral, Natália Viana e Tatiana Merlino, acaba de se juntar à Casa da Cultura Digital. O objetivo é produzir reportagens aprofundadas e independentes sobre temas de interesse público, que possam ser livremente reproduzidas pela mídia impressa e digital.

Inspirada nos centros de jornalismo investigativo internacionais, a ideia nasceu há alguns anos e tomou forma a partir da experiência de Natália Viana como parceira do Wikileaks, trazendo os documentos vazados para o Brasil. Percebemos nesse episódio a oportunidade de contribuir com o fortalecimento dos veículos independentes e instigar a mídia tradicional – que vem perdendo fôlego na produção da grande reportagem.

Nosso compromisso é com a defesa dos direitos da maioria da população, através da disseminação de reportagens rigorosamente apuradas sobre aplicação e desvio de dinheiro público, abuso de poder econômico, violação de direitos humanos, desigualdade social e outros temas relevantes para qualificar a democracia brasileira.

Trabalhamos com parceiros de diversos países, que tem o mesmo compromisso com o interesse público, buscando transmitir uma visão global sobre essas questões. Entre os que já se associaram à Pública estão o Center of Public Integrity, Wikileaks, The Bureau of Investigative Journalism.

Acesse o site www.apublica.org, leia as reportagens exclusivas produzidas por nossos parceiros e conheça melhor o nosso projeto.